14 de abr de 2009

Igual a DRM, só que mais sinistro



Andrew Dubber escreveu em seu site New Music Strategies sobre uma nova maneira de rastrear arquivos mp3, em estudo por algumas gravadoras.

Desta vez, com "marcas d`água". A ideia é que seja completamente invisível (e inaudível) para o ouvinte, mas rastreia de onde o mp3 (ou outro formato) tenha vindo, e, na maioria dos casos, informe sobre a pessoa que originariamente o comprou.

Leia mais no New Music Strategies.

2 comentários:

  1. Esses cachorros farejadores e seus narizes inquiétos!!!

    ResponderExcluir
  2. Alguns pontos:
    Quanto isso vai custar? Quem vai administrar essa informação? O que eles vão fazer com ela?
    Será que querem voltar a processar e prender os fãs de música?

    Acho que nem eles sabem para que serviria isso tudo?

    ResponderExcluir