11 de mar de 2011

Móveis Coloniais de Acaju - banda-empresa em tempos de música livre



Desde o texto do O Teatro Mágico aqui no Música Líquida – que foi um sucesso – que queria ter a colaboração do Móveis Coloniais de Acaju. Além de usarem muito bem a internet, como explicam aqui no texto, são uma banda modernamente independente. Colocam a mão na massa em todos os aspectos da carreira e ainda organizam um festival muito bem sucedido em Brasília, sua cidade, há 5 anos - espero que um dia me chamem para participar! – que tem música, palestras e debates.

Seus 2 discos são muito bem tocados e produzidos e suas composições, além de ótimas, muito particulares. Conseguiram encontrar uma voz própria que mistura democraticamente contribuições dos 10 membros. Mas o ponto alto é o show. Não há quem tenha ido a uma apresentação deles que não saia encantado com a energia, a presença de palco e a inteiração com o público dessa que é uma das maiores bandas alternativas do país.

Com a palavra, Móveis (@moveis):


Olá, Leoni e todo mundo que lê esse blog, conto aqui um pouco da trajetória do Móveis com relação à internet, música on-line, redes sociais. Desde o começo da banda, a internet tem nos acompanhado e crescemos em paralelo ao seu desenvolvimento. Começamos na época em que estava acontecendo aquela brusca/transição no mercado fonográfico, e participar de uma gravadora deixou de ser obrigatoriedade para uma banda se fazer conhecida. A rede estava começando a se desenvolver, com mais bandas participando, colocando suas músicas para o público conhecer e baixar on-line. O Móveis, ainda bem, era uma delas.

Em 2003, começamos a colocar tudo nosso no site, até então tínhamos apenas um EP e uma versão de três músicas que entrariam no Idem, nosso primeiro disco. Na época lembro que tivemos uma grande reflexão sobre colocar a música de graça na net, se isso atrapalharia a venda de discos, acabamos colocando, e hoje tenho certeza que foi uma das ações mais prudentes que tivemos. Ajudou a vender mais discos, mais gente passou a conhecer a banda e, consequentemente, mais gente começou a aparecer nos shows. Nosso segundo disco, o C_mpl_te, também disponível para download gratuito, fez parte do projeto Álbum Virtual da Trama, e o dvd também está em algum torrent por aí, bem fácil de encontrar. Hoje continuamos ativos na internet, redes sociais, acreditamos que tudo isso agrega na divulgação da banda, twitter, myspace, site próprio, facebook, orkut, sempre vai ter alguém conectado.

Essa democratização da informação é o mais importante para a gente até hoje. Acreditamos nisso e temos alcançado um público maior em vários lugares onde, com certeza, só o disco não chegaria. É baseado nessa nossa experiência positiva que tomamos esse partido, não quer dizer que temos a razão absoluta, nem que isso pode dar certo pra todo mundo, esse certamente não é o único modelo de negócio nesse nosso mercado cheio de novidades, mas para a gente tem sido certamente o mais interessante.

Outro ponto importante sobre o Móveis é que trabalhamos dentro de um modelo de Banda Empresa, com uma auto-gestão em que cuidamos tanto da parte artística quanto empresarial. Nos dias de hoje é importantíssimo o artista se envolver com a própria carreira. Dentro desse modelo de auto gestão temos um escritório onde cada um tem um trabalho além de tocar, vai de programar o site e editar vídeo ao financeiro. Em 2005 começamos o nosso Festival, o Móveis Convida, que tem como objetivo principal movimentar a cena de Brasília, promover o intercâmbio entre bandas do DF e de fora. Já passaram por aqui bandas como Los Hermanos, Pato Fú, Teatro Mágico, Macaco Bong, e também muitas bandas de Brasília como Eletrdomesticks, Lafusa e Galinha Preta. O evento também conta com oficinas e palestras sobre mercado da música, produção cultural, roadie, técnico de som, identidade visual para bandas, entre outros. O festival ajudou o Móveis a ganhar uma maior visibilidade nacional, e o fato de sermos de Brasília e realizarmos o festival aqui também ajuda no crescimento cultural da cidade.

É um trabalho longo que temos aí, ainda mais que esse ano estamos preparando nosso terceiro disco, mas tem sido uma ótima experiência, e o resultado final é muito gratificante. Vale muito o trampo.



9 comentários:

  1. Este é um modelo que venho tentando implantar na minha banda 5PRAStANtAS. Estamos no começo mas já estão aparecendo alguns resultados. Muito ajudou o livro "Musica Ltda" do Eduardo Salazar, que recomendo a todos os interessados.

    Acho muito bom o músico de hoje ter que tocar sua própria vida profissional. Vivemos em um país aonde o normal era os músicos terem babás profissionais para o resto de suas carreiras. E isso atrapalhou muito a evolução da profissão.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Caio. Vou olhar o livro indicado. Dê uma olhada no meu livro. A versão reduzida e não ampliada está de graça aqui mesmo. A versão mais completa dá pra comprar pela internet na loja singular: http://www.lojasingular.com.br/catalogsearch/result/?order=relevance&dir=desc&q=Manual+de+Sobrevivência+no+Mundo+Digital&x=0&y=0

    ResponderExcluir
  3. Acredito que o caminho seja este, e nenhum outro mais, para todo tipo de arte.

    ResponderExcluir
  4. Gente do céu, Móveis é uma banda extremamente talentosa, não só por suas ideias super inovadoras e inteligentes, mas pela garra de cada integrante da banda. E ver que há uma visibilidade com grande foco que em seus projetos musicais influenciam principalmente na interação dos ouvintes assim como na gratificação/ recompensa final da própria banda (que tanto trabalhou em cima do mesmo) e dos ouvintes ("futuros" fãs ou seguidores deste sucesso).
    Tive a oportunidade de ler o livro que o Leoni publicou "Manual de sobrevivência no mundo digital" e mesmo não participando de alguma banda, pude visualizar o quanto o espaço da música pode ser amplo, há vários meios, o importante é você se mover nesse meio "vasto" e seguir adiante. Afinal, a música não tem ínicio, meio e fim. Tem apenas ínicio e desenvolvimento (meio), estamos sempre ansiosos para que algo de especial não seja só especial dentre os outros, seja ORIGINAL, a exemplo de Leoni e Móveis.
    Desejo muito mais sucesso pra vocês, afinal, é altamente merecido!

    ResponderExcluir
  5. Esse livro "Música LTDA." realmente é muito bom pra quem pretende atuar no esquema "Banda/Artista Empresa".

    Ainda não comprei do "Manual..." do Leoni, mas pelo que vi na versão E-Book(segundo o próprio a versão impressa é mais completa) os dois juntos se completam. Um falando da coisa empresarial, e outra da "internética".

    O que me assusta, e até entristece, é ver (e conviver também, infelizmente) com músicos que ainda pensam que basta SÓ tocar, gravar, ensaiar, posar pra fotos, e esperar o "moço" da gravadora ir no show (ou na casa dele) contratar.

    Quem pegou essa transição (e o Leoni é um dos) sabe o quão difícil é mudar os papéis, como é difícil imaginar que tudo isso acabou, e que, se não "se mexer, afunda", mas imaginar que existam músicos que "começaram" já nessa fase e ainda pensam como antigamente é algo que chega a ser revoltante.

    Cada um com seu cada um, lógico! Mas é praticamente impossível acreditar que "apenas" a boa música vá levar seu projeto, solo ou com banda, a algum lugar.

    Parabéns pra caramba pra galera do Móveis, que manda muito bem no palco e fora dele...

    Ass: Chris Gar, vocal do Bleffe

    ResponderExcluir
  6. Como ouvinte, acho que dá até mais gosto de conhecer uma banda porque, além da música, ela fez um bom trabalho para divulgar a ideia e ela se espalhou bem. Isso demonstra demais o engajamento dos integrantes.

    Como alguém que trabalha com financiamento direto do público para os artistas (crowdfunding), acho fundamental a questão da independência e acredito que, cada vez mais, quem se preocupar com essa relação direta entre público e banda vai trilhar um caminho mais solido.

    ResponderExcluir
  7. Diego, em que empresa de crowdfunding você trabalha?

    ResponderExcluir
  8. Oi Leoni, sou um dos fundadores do Catarse, conhece?

    O link está no meu nome.

    Vi que você já postou o vídeo do pessoal do Multidão por aqui, então imagino que já conheça bem a modalidade.

    Se quiser, podemos conversar mais sobre o assunto, sou apaixonado pelo conceito e louco pra fazer ele acontecer no Brasil. Meu email é: diego@catarse.me =)

    ResponderExcluir