9 de fev de 2011

De volta à atividade

Estivemos afastados do Música Líquida por um bom tempo, mas a polêmica a respeito de direitos autorais na rede anda explosiva e acho que temos bastante a dizer a esse respeito. Por isso a volta.

O primeiro texto já foi publicado no meu site esse semana por conta das opiniões do Caetano Veloso em sua coluna no O Globo. Acho que vale a pena a discussão:

Para Caetano Veloso não é mais proibido proibir

Tenho ficado perplexo com a coluna semanal do Caetano no O Globo. Especialmente por sua tradição de posições inovadoras e ousadas. Além de ser o grande artista que é. Foram duas crônicas falando sobre Direito Autoral de cima do muro. Linhas e mais linhas para dizer que não tinha uma posição sobre o assunto no que se refere à internet. Finalmente, esse domingo, resolveu tomar partido – não sem antes dizer que os dois lados tinham razão (como se tratasse de dois times e não de uma construção através do debate) – e saiu com essa pérola: “É porque acho que devemos respeitar os direitos autorais. Sem concessões. A internet que se vire. Ela e toda sua multidão de internautas em blogs e redes sociais que se vejam na situação de introjetar as leis da vida off-line, a nossa vida. Daqui de fora, podemos exigir.”

Resumindo: ele não entende nada sobre a internet. Primeiro porque, como ele mesmo admite, não está nela. Afinal ele quer exigir “de fora”. Se você não conhece sobre o que está falando, o provável é falar bobagem. Como essa história de que “a internet que se vire”. Ora, a internet não existe da mesma forma que uma empresa, com presidente e diretores. É um conjunto caótico e descentralizado de milhões de colaboradores sem nenhuma hierarquia. Ele teria que convencer cada um dos participantes a concordar com a tese de que as leis da vida off-line são aplicáveis ao mundo virtual. Como se os bits obedecessem às regras dos átomos. Assim é fácil resolver. Caetano não quer mais que a garotada baixe músicas sem pagar, nem veja vídeos que não estão liberados por seus autores. Ora, nem o ditador do Egito consegue controlar a internet.

Sejamos razoáveis. Para esse novo mundo precisamos de novas soluções. Bater o pé não vai adiantar nada. Se queremos receber dinheiro temos que oferecer algo que as pessoas queiram comprar. Baixar música na rede já está deixando de ser importante. E nunca resultou em receitas significativas. A garotada está migrando para o streaming, ouvindo e descobrindo música no YouTube. Mas tio Caetano não aprova. Então, garotada, vamos obedecer os mais velhos. Mesmo que esse mais velho já tenha dito um dia que “É Proibido Proibir”

4 comentários:

  1. Excelente artigo Leoni. É fato, quando não se tem muita informação acerca de um assunto, as chances de se falar besteiras são grandes.

    Feliz pela volta das atividades do Música Liquida, é uma fonte constante de informação relevante ao meio.

    Abração!

    Leo Morel

    ResponderExcluir
  2. Impossível um artista alcançar o que Caetano alcançou (e com a qualidade que o fez) sem ser genial, quanto a isso nao há dúvidas.
    Mas nao consigo entender o fato de alguem que sempre teve o pensamento diferente, desbravador e inovador pode fazer um comentário (pior, dar uma opinião) tão infeliz assim...

    Nao há como alguem, quem quer que seja, argumentar sobre qualquer assunto sem antes conhecê-lo. Não irei eu comentar sobre leis envolvendo procedimentos médicos e afins, afinal..nao entendo nada disso.

    Um artista como ele deveria ter um pouco mais de responsabilidade antes de opinar sobre algo, deveria conhecer, enfim...é tudo óbvio demais..

    ResponderExcluir
  3. Vocês viram que o Ministérios da Cultura colocou essa crônica em seu site?

    Vejam em http://www.cultura.gov.br/site/2011/02/07/pontos-teimosos-caetano-veloso/

    E deixem suas mensagens por lá.

    ResponderExcluir
  4. Depois de ler uma matéria publicada na folha sobre a troca de farpas de Caetano Veloso com Gilberto Gil sobre o Creative Commons, pensei logo: "aposto que o Leoni já se pronunciou!" E cá está... com muita sobriedade, como sempre!

    O mais irônico disso tudo, é que na revista Bravo deste mês, Caetano Veloso está na capa como "o guru da nova geração"! rs

    ResponderExcluir